consulta com Betty Milan

UMA ESCOLHA INFELIZ

Tenho 37 anos, sou casada há doze e me relaciono há 24 com meu marido. Sempre fui professora, sempre convivi com muita gente, sempre estive conectada. No ano passado, me apaixonei platonicamente por um aluno estrangeiro. Fui racional e escolhi continuar casada.

Na última aula, eu contei ao aluno que gostava dele e, por isso, não seria mais sua professora. Fiz isso por uma questão de ética. Ele ficou furioso, irreconhecível até.

Já passou quase um ano e eu não o esqueço, como supus que fosse acontecer. Sonho com ele, sofro como se ainda o visse com freqüência. Continuo casada num relacionamento frio, triste, sem atração. Sinto-me covarde, má, vazia. O que eu faço?

 

Para você, o casamento e a paixão pelo aluno eram exclusivos. Você não concebia a possibilidade de continuar casada e viver a paixão com o aluno na realidade. Agora, você vive a paixão no seu imaginário. Sonhando e sofrendo.

Para não correr o risco de perder o marido com quem você tem um relacionamento frio, triste e sem atração, você perdeu o amado. Por que não pôde abrir mão do ideal do casamento?

Entendo que você se sinta covarde. Para não colocar em questão a instituição matrimonial, não ousou o amor. Normal também que você se sinta má, porque fez uma maldade consigo mesma. E o vazio é compreensível, porque você ficou sem o amado e com uma relação insatisfatória.

O aluno não apareceu na sua vida por acaso, e sim porque você estava disponível. O fato talvez possa servir para você colocar em questão o seu casamento. Só vale a pena mantê-lo se for possível se abrir com o seu marido sobre o ocorrido. Se ele te der a liberdade de falar e ouvir o que você tem a dizer. Ou seja, se ele der à esposa que amou um outro – e portanto foi imaginariamente infiel –, a possibilidade de contar a verdade e ser leal.

Está na hora de mudar de vida apostando na liberdade e na lealdade, que não é sinônimo de fidelidade. Para tanto, é preciso correr o risco que você adiou. Sair do casulo e voar.

 

LEALDADE NÃO É SINÔNIMO

 DE FIDELIDADE

 

Publicado em Fale com ela

Comentários sobre "UMA ESCOLHA INFELIZ"

Enviar uma resposta